A Cidade

O território de Riachão das Neves integrava a Sesmaria da Casa da Ponte de Antonio Guedes de Brito, isso porque em 1827, a região do vale do São Francisco, chamada hoje de Oeste da Bahia foi anexada ao Estado da Bahia e como Antonio Guedes de Brito era detentor da margem direita do rio São Francisco, automaticamente passou a ser dono da margem esquerda do rio que era conhecida como casa da torre.

Seu povoamento iniciou-se na primeira metade do Século XIX, por colonos vindos da Província de Pernambuco. A fertilidade das terras que não necessitavam de agrotóxico para produzir atraiu novas famílias que com a agricultura e pecuária obtinham o sustento. Dessa forma, ali se estabeleceram para originar e dar formato ao Arraial Riachão das Neves, elevado à Vila em 1934. O município foi criado em 1962 e seu patrono foi Juarez de Souza, deputado estadual que formulou a lei para que a vila desmembrasse de Cotegipe e se tornasse cidade. O nome originou-se da junção da Fazenda Neves e do riacho que banhava a sede municipal, denominando, Riachão das Neves.

O então riacho de água corrente cortava a cidade.  Era uma exuberância de paisagem que deixava os moradores apaixonados pelo local.  Hoje só ficaram as barrancas tanto de um lado quanto do outro. A devastação também deixou o riacho sem as matas ciliares e sem nenhuma proteção. A natureza foi atingida e hoje só corre água no então “riacho” quando chove.

Riachão tem muitas glórias a serem relembradas pelo seu povo. Em 1660, o então 32º Governador Geraldo Brasil, Dom João de Lan-Castro, autorizou uma expedição para navegar os afluentes do Rio São Francisco, entre eles o rios- Grande, Rio Preto e Rio Corrente. No Oeste da Bahia, a expedição passou por Barra, primeira cidade da região do Vale do São Francisco, seguindo por Pilão Arcado e Campo Largo, hoje Cotegipe, de onde Riachão das Neves foi desmembrado.

A região em 1824 passou a integrar a província de Minas Gerais e em 1827, por outro ato provisório foi entregue à Província da Bahia, tudo isso pelo motivo que os pernambucanos, liderados por Frei Caneca, não aceitaram a Constituição imposta pelo imperador. E para castigar Pernambuco, o imperador tirou toda esta área que hoje é conhecida como oeste baiano, da Província de Pernambuco. A partir daí, passou a integrar a Sesmaria da Casa da Ponte de Antonio Guedes de Brito.

Riachão das Neves no dia 26 de Julho de 1934, recebeu o título de vila do município de Cotegipe. Inicio ao sonho da emancipação política. Por ironia do destino, em 1954, o ilustre filho de Riachão, Nelson Carvalho da Cunha, tornou-se prefeito em Cotegipe. Vários ilustres, filhos de Riachão foram vereadores pelo município de Cotegipe: Severiano Crisóstomo, Joaquim Arruda e Armias Pereira de Matos, sem contar com outros anteriores a estes, como, Joaquim Miguel dos Santos Bonfim, Aprígio Crisóstomo Filho, Aylon Macedo, João Muniz de Souza, Salvador Gonçalves de Carvalho e José Antonio Borges. A força desses políticos foi decisiva para a emancipação política do município. Porém, antes de se tornar município, Riachão passou por uma tentativa de emancipação frustrada. Em1961, o primeiro plebiscito realizado foi negativo, e resultou em 45 votos contrários ao desmembramento do município. Em março de 1962, com uma manobra regida por João Muniz de Souza, foi realizado o segundo plebiscito, e desta vez a vitória foi praticamente unânime. Não se pode deixar de acrescentar que tudo isso aconteceu justamente por receio do então Coronel José Bernardino de Santana, conhecido por Cazuzeira, que comandava a região politicamente e era contrário à emancipação. Naquela época, a economia era regida pelo rio. O maior entrave para emancipação de Riachão das Neves era a disputa pelo porto de São José do Rio Grande, onde os negócios e toda economia aconteciam. Mas o tão sonhado dia pelo qual muitos lutaram incansavelmente chegou. Em 19 de julho de1962, através da Lei 1.731, de autoria do deputado estadual, Juarez de Souza, Riachão tornou-se município e Juarez de Souza-patrono.

Turismo

Riachão das Neves é um lugar que concentra belas paisagens. São vistas que impressionam a qualquer um. A natureza, em muitos pontos do município, foi realmente generosa, pois, deu de presente para todos lindos rios, riachos e grutas.

Na extensão de mais de 05 mil Km² pode ser encontrado o Rio Grande, localizado no Distrito de São do Rio Grande, distante 27 km da sede de Rachão das Neves. É onde muita gente aproveita nadar, pescar e ficar bem à vontade às margens do rio.

No município, existe também o Rio Branco, que se distribui ao longo dos Gerais. Extenso e com águas encantadoras, chama a atenção. Na mesma direção dos Gerais estão alguns riachos, belos e com águas cristalinas.

Outro grande atrativo é a gruta de Sarapó, um lugar histórico, esculpido pela própria natureza e com marcas deixadas pelos antepassados. É onde são encontradas diversas pinturas rupestres, sinais de que pode ter sido habitado por vários anos pelos indígenas. Quem vê se impressiona por todo valor histórico e pela paisagem.